imagem

A Aromaterapia trabalha o corpo de uma maneira natural e holística!

 

Segundo a International Aromatherapy Association, é uma técnica de tratamento complementar, fazendo uso dos óleos essenciais 100% puros, cujas fontes vegetais foram cultivadas, colhidas e processadas de forma a preservar as substâncias químicas para auxiliar nos tratamentos de sintomas físicos, mentais, emocionais e do bem-estar geral. E é reconhecida pela Organização Mundial da Saúde.

Culturas mais antigas valorizavam os benefícios terapêuticos dos óleos de plantas aromáticas. A antiga literatura médica da Índia e os textos históricos da medicina chinesa documentam a importância dos óleos aromáticos para a saúde e para a espiritualidade.

Hipócrates, considerado “o pai da medicina”, utilizava fumigações aromáticas para erradicar a praga de Atenas, e os soldados romanos se fortaleceram em banhos aromáticos e massagens. No entanto, as tradições aromáticas mais interessantes pertencem aos antigos egípcios. Médicos do mundo todo iam ao Egito aprender a cura pelos aromas com os mestres de então.

No ano 1.000 D.C., o médico Avicenna introduziu o sistema de arrefecimento no processo de destilação, fazendo da extração dos óleos essenciais em um processo mais refinado e eficiente.

Acredita-se que a aromaterapia foi trazida para o mundo ocidental no tempo das Cruzadas. Há registros da utilização de óleos essenciais durante a praga do século XIV. No entanto, foi durante os séculos, XVI e XVII que a aromaterapia se difundiu. No fim do século XIX, experimentos científicos realizados sobre as propriedades antibacterianas das plantas começaram a esclarecer a composição química e a potencial força curativa dos óleos essenciais. Infelizmente, em vez de levar a um aumento do uso dos óleos essenciais, esforços foram feitos no sentido de imitar as suas propriedades e, de modo crescente , os equivalentes químicos sintéticos vêm sendo empregado no lugar dos óleos essenciais das plantas.

A reintrodução do uso dos óleos essenciais começou então nos anos 1920, com o trabalho de um químico francês, René Maurice Gattefossé, que sentiu-se atraído pelo potencial terapêutico dos óleos essenciais. Ele descobriu que o óleos essenciais da lavanda (alfazema) curava rapidamente uma queimadura em sua mão e que muitos óleos essenciais eram melhores antissépticos que seus correspondentes sintéticos. Foi Gatefossé quem cunhou o termo “aromathérapie”.

Marguerite Maury uma terapeuta da beleza, nos anos 1950, introduziu clínicas de aromaterapia na Grã-Bretanha. Ela ensinou a esteticistas como usar os óleos essenciais, em massagens, para oferecer tratamentos de rejuvenescimento personalizados aos clientes. Nos últimos anos, a aromaterapia evoluiu além da terapia da beleza. Agora é reconhecida como uma parte importante dos tratamentos complementares.

imagem02

Óleos essenciais: A alma das plantas!

Óleos essenciais são os componentes orgânicos responsáveis pelo aroma que as plantas exalam. Obtidos através de processos de extração como a destilação a vapor, são encontrados em pequenas bolsas – glândulas secretoras – existentes na superfície de folhas, flores ou no interior de talos, cascas e raízes. Altamente voláteis, espalham-se rapidamente pelo ar.  

São de grande complexidade química, visto que contém em sua composição, às vezes, mais de uma centena de componentes químicos, como ésteres, aldeídos, álcoois, cetonas, fenóis, e outros. Essa complexidade química e sinérgica lhes atribui ação antibiótica, antisséptica, antifúngica, analgésica, bactericida, etc., o que os torna mais eficazes do que muitos medicamentos criados em laboratório, cuja elaboração, às vezes é formulada com muito menos princípios ativos do que os encontrados em apenas um único óleo essencial, extraído de uma única planta.

Onde são empregados

Conhecidos como flavorizantes pela indústria de alimentos; empregados como matéria prima nobre na produção de perfumes e cosméticos; também são largamente utilizados pela indústria farmacêutica, para síntese de compostos aromáticos e remédios. Com propriedades altamente benéficas para a saúde, podem ser utilizados de inúmeras maneiras. Quer seja em tratamentos para enfermidades de cunho físico ou psicológico, quer seja enquanto ingrediente gourmet, remetendo-nos às nossas avós de outrora que, sabedoras dos inúmeros benefícios terapêuticos e aromáticos dos temperos e ervas, os empregavam em suas preparações.

Como utilizar

Os  benefícios que os óleos essenciais oferecem,  podem ser recebidos através de: 

• Inalação: é a forma mais completa de obter os efeitos e benefícios dos óleos essenciais, pois permite que as moléculas consigam chegar facilmente no sistema límbico do cérebro, criando alterações no funcionamento do corpo, que o tornam capaz de se curar. O ideal é que sempre se utilizem óleos essenciais biológicos certificados, para evitar inalar pesticidas e outros químicos que podem acabar intoxicando o organismo.

• Aromatizador: neste caso, adicionam-se 2 ou 3 gotas, do óleo escolhido, no interior de um aparelho com água que cria uma nuvem de fumaça que libera o aroma por todo o cômodo.

• Evaporização: consiste em aplicar algumas gotas em bolas de algodão, compressas ou num pano limpo, permitindo que o óleo vá evaporando e liberando o seu aroma. Esta é uma ótima forma de regular a intensidade do aroma, pois quando mais perto se estiver do pano, mais intenso será o cheiro.

• Sprays: ajudam a espalhar o aroma por todos os locais que se deseja, para isso basta adicionar algumas gotas do óleo essencial no depósito do spray e preencher com água. Antes de usar o spray deve-se abanar a embalagem para voltar a misturar o óleo, evitando pulverizar apenas água para o ar.

• Vaporização: esta técnica deve ser usada especialmente para tratar problemas respiratórios ou resfriados, pois além de liberar o aroma diretamente para o sistema respiratório, permite a inalação de vapor de água que hidrata e relaxa as vias respiratórias.

• Massagem: é a forma perfeita para aplicar os óleos essenciais diretamente na pele, de forma a tratar dores musculares, infecções, problemas de pele ou dores articulares. 

• Banhos: os banhos misturam os benefícios da vaporização, pois permitem a inalação do vapor de água e do aroma, e os benefícios da massagem, uma vez que permitem o contato da pele com o óleo. Assim, podem ser usados em quase todos os casos.

 

Incorporar a Aromaterapia em todos os produtos Raaz, fortalece nosso compromisso em oferecer o que há de melhor na natureza, traduzindo sua essência  e transformando em terapia.